quarta-feira, 6 de março de 2013

HISTÓRIA DE GUARDA-MOR

A cidade de Guarda-Mor surgiu nos tempos em que os bandeirantes começaram a extrair ouro do córrego de Paracatu. Criou-se, então, um posto de Guarda-real (maior, mor). Reza a tradição de que ao pé do Chapadão dos Pilões, teria instalado um posto de fiscalização do ouro transportado para Uberaba. Saint-Hilaire, famoso viajante francês, em sua obra intitulada "Viagem as nascentes do rio São Francisco", menciona a fazenda do Guarda-Mor ao descrever a Paracatu do século XVIII. Conta-se segundo Caetano de Faria, autor do livro Guarda-Mor: seu povo sua história que os moradores José Maria Caldeira e sua mulher Anna Francisca Ribeiro fizeram a doação das terras para edificação da capela dedicada a Santa Rita de Cássia. A PÚBLICA FORMA DE DOAÇÃO, datada de 1848, consta do Cartório local, de acordo com o livro nº 02, fls 108. Por ser terreno da Santa e, por conseguinte, gratuito, muitas famílias vieram demarcar seus respectivos lotes e formou-se, assim, o arraial. A população cresceu rapidamente e o Curato foi elevado a distrito 1850. Em 1871, criou-se a Paróquia de Santa Rita dos Impossíveis de Guarda-Mor, logo extinta em 1873. A época da criação do distrito de Vazante, em 1938, Guarda-Mor cede parte de seu território. Ao elevar-se a categoria de município, em 1953, Guarda-Mor passa a integra-lo. Em 1963, Guarda-Mor torna-se município. Uma de suas principais atrações naturais é a cachoeira do Funil e a cachoeira da Usina. No panorama cultural, destacam-se as festas religiosas, tais como a de Santa Rita de Cássia, padroeira do município,festa do milho na Fazenda Corda,Festa do leitão,Festa de exposição, realizada no mês de julho dentre as folias de Reis realizadas ao longo do ano em várias regiões do município. Destacam-se como fundadores de Guarda-Mor, os bandeirantes Felisberto Caldeira Brant e José Rodrigues Fróis. Fontes: Casa de Cultura de Guarda-Mor – PLANO DE INVENTÁRIO ANO 2006/2007

Nenhum comentário:

Postar um comentário