domingo, 4 de abril de 2010

Incorporando a Arte as Novas tecnologias

A década de 70 tinha como modelo de ensino de arte no país o fazer artístico em detrimento da apreciação de obras e do conhecimento da arte. Era valorizado o desenvolvimento da auto- expressão e da auto-descoberta. O fazer artístico, os aspectos históricos e teóricos da arte, e nem obras de arte eram apresentados as crianças para que estas não fossem influenciadas e isto levava a um processo de criação bastante limitado dando margem a um processo de criatividade pobre e arcaico. Com uma nova metodologia proposta pelos PCN. s para o ensino de Arte abordando não apenas o objeto ou ato em si, mas que necessariamente exige a compreensão do contexto histórico em que o referido objeto ou ato foi reproduzido, significando assim analisar os objetos ou atos artísticos a partir do contexto de quem os produziu propondo assim uma nova visão triangular na proposta curricular do ensino das artes no ambiente escolar. O arte-educador deverá desta forma preparar o educando por meio de leitura de obras de arte plásticas para que o mesmo obtenha a decodificação da gramática visual, da imagem fixa. E também através da leitura do cinema e da televisão prepará-lo para aprender a gramática da imagem em movimento.
Para melhor conhecer e apreciar a arte cito o método comparativo de Edmund Feldman (1970) que diz : O método comparativo é o trabalho que envolve o conhecer, o apreciar e o fazer através da comparação entre várias obras de arte de diversos períodos para que o aluno perceba as diferenças e as similaridades. Esse estudo centra-se nos elementos da obra de arte e o desenvolvimento crítico é o cerne da metodologia. No entanto, ao centrar seu trabalho no desenvolvimento crítico, Feldman não nega o desenvolvimento da técnica e da criação. Ao entrar em contato com a obra de arte, ao ver a imagem, o aluno desenvolve sua capacidade crítica, estabelecendo uma relação de aprendizagem com o objeto em questão. Para Feldman, esse desenvolvimento se dá através dos seguintes processos: ao ver atentamente, o aluno descreve; ao observar o que vê, ele analisa; ao significar, interpreta; e ao decidir acerca do valor, julga.
Dialogando também com a proposta triangular cito o método multipropósito de Robert Saunders (1984) que define a sua metodologia como um programa de ensino de arte onde o fazer se dá em função da leitura da obra de arte, articulada com outras áreas do conhecimento de maneira interdisciplinar. Enfatizando seu trabalho no olhar, ele propõe uma mudança da cultura verbalmente orientada para uma cultura visualmente orientada, e apresenta o uso da reprodução como um meio para o ensino da arte. Em seu trabalho, Robert Saunders faz a defesa do uso de boas reproduções de obras de arte, em papel, na atividade com os alunos, descartando o uso do slide que, para ele, interfere na relação educador/ educando, já que o slide, para ser mostrado, necessita de um ambiente escuro. Além disso, ele defende o uso de uma mesma reprodução ao longo de várias séries, partindo do princípio de que o educando amadurece e, conseqüentemente, fará uma leitura diferente da obra revisitada. O método de multipropósito deve ser posto em prática a partir do momento que o educador de arte estabelece um objetivo a ser atingido pelo educando. Ao escolher uma determinada obra de arte para ser estudada, ele deve ter claro quais foram os propósitos que orientaram a escolha e quais são os objetivos a serem alcançados.
Engraçado como  nós educadores fazemos as coisas sem perceber. E este módulo nos faz refletir sobre a nossa prática dentro da sala de aula. Sempre gostei de trabalhar desta forma com os alunos. Recentemente fizemos um Tour pelo Museu Paulista fazendo uma viagem pela História da Independência. http://www.universiabrasil.net/especiais/museupaulista/
O que deixou os alunos encantados, pois na realidade muitos deles têm  a oportunidade de conhecer obras de artes somente  por meio de um passeio virtual. È muito interessante a resposta que o aluno nos dá e percebemos que inteligentemente ele agrega valores e conhecimentos de forma muito mais significativa.Deixo aqui ilustrado uma das  imagens  da obra de arte do citado Museu Virtual Paulista com o relato da obra.
Nau Capitânia


Integrante da exposição descobrimentos Imaginados, a pintura “Nau Capitânia”, de Oscar pereira da Silva, representa o encontro de Pedro Álvares Cabral com os índios, em abril de 1500. O encontro foi descrito pelo escrivão Pero Vaz de Caminha: “o capitão, quando eles vieram,estava sentado em uma cadeira, aos pés uma alcatifa por estrado; e bem vestido, com um colar de ouro, mui grande ao pescoço. (...) Acenderam-se tochas. E eles entraram. Mas nem sinal de cortesia fizeram, nem de falar ao capitão, e começou a fazer acenos com a mão em direção à terra, e depois para o colar, como se quisesse dizer-nos que havia ouro”




Nenhum comentário:

Postar um comentário